24/07/2017

Não faço ideia de como tudo isso começou, até porque há três meses essa relação não passava de uma grande “brincadeira”. A verdade é que nunca tivemos o mesmo objetivo, eu mantive a sinceridade, no entanto não conseguia me sentir confortável quando estávamos juntos.

Era difícil, você era como um labirinto, onde as paredes mudavam de lugar constantemente.

E por favor, não tire conclusões precipitadas da minha inteireza. Percebo que com o passar dos anos me conheço melhor do que qualquer pessoa, logo, você me dar todo o direito de pensar o que quiser ao seu respeito.

As minhas amigas não acreditavam, quando eu insistia em continuar e eu nunca soube responder, mesmo tendo a plena certeza que nunca tivemos nada em comum, nem mesmo um detalhe se quer, nem gosto musical, nem na escolha dos filmes, nem os passeios de “gente velha”, não era assim que costumava chamar?

Se eu fiquei mal por tudo ter acabado antes mesmo de começar? Mas é claro que sim.

Às vezes é bom parecer forte, fingir que nada aconteceu funciona na maioria das vezes, mas eu conheço um método que dar mais certo do que qualquer mentira que eu queira contar – chorar, desabafar, gritar e depois lavar o rosto como se nada houvesse acontecido, não há nenhum problema. Ás vezes é melhor um rímel borrado do que um coração conflito.

Sempre tive a impressão que a cada conversa nós passávamos de uma terra plana para a beira de um abismo. Quando não conhecemos sobre determinado assunto não damos crédito a ele, ou seja, quando o assunto éramos “nós” você sempre tratava de forma insignificante.

Nunca pedi que colocasse uma aliança no meu dedo e me apresentasse pra sua família e amigos como namorada, nunca pedi que chegássemos de mãos dadas nos restaurantes, a única coisa que eu achei justo fazer era dar significado as coisas.

E quando as pessoas começassem a perguntar sobre “nós” diríamos “somos grandes amigos”, falaríamos a verdade, embora hoje consiga te ver com outros olhos nunca deixei de ser sua amiga, nunca quis que essa relação mudasse – namorar seria apenas uma conseqüência, não precisávamos rotular nada.

Não estou dizendo que seria assim pra sempre, no entanto saberíamos a hora certa de colocar tudo no lugar. Entretanto não foi assim que tudo aconteceu.

Você desistiu sem lutar, sem acreditar e agora acabou.

Eu estive certa o tempo inteiro. Mas calma, a moral da história chega somente no final. Sim, aprendi muito contigo, aprendi que a vida é muito curta pra viver em função das expectativas de outra pessoa. Atitude burra a minha. Até porque se for pra se relacionar sozinha é melhor ficar sozinha. E foi isso que eu escolhi fazer. E foi então que chegou ao fim. E foi. Foi libertador.

Gostaram desse texto? Deixe sua opinião e não se esqueça de ver meus outros artigos aqui! Um beijo 🙂

por May Mariano
Compartilhe com os amigos
2 comentários

Leia tambem

  • Memórias do Meu Primeiro BLOG!
  • Talvez amadurecer seja isso (ou não)!
  • Levante do Sofá Menina.
  • 22/05/2017

    Cabeça cheia, correria da semana, estresse do trabalho, muita matéria para estudar, livros inacabados, ônibus lotado + engarrafamento, tudo isso nós faz entrar em um estado não muito legal.

    Talvez a única coisa que precisamos nessa hora é ficar em paz, que no caso é um tanto quanto complicado quando se está ligado no 220. Na maioria das vezes chegamos nos arrastando até a sexta-feira.

    Mas calma, preparamos um playlist super especial para esses dias. Algumas bandas são mais conhecidas, outras talvez você nunca tenha ouvido falar, mas se for como eu vai se atrair pelo o novo, com certeza, mesmo sabendo que gosto é relativo digo confiante que são bandas realmente muito boas.

    • Projeto 2 Coelhos: 

    Formada em março de 2013 e idealizada com muito humor e música por Jimmy e Neto, quando eles se reúnem e resolvem começar o projeto. Podendo se entender então o porquê de “2 coelhos”.

    E com o tempo outros integrantes chegaram e trouxeram consigo suas das suas marcas registradas são as músicas muito bem humoradas.

    Algumas de suas autorias: Se teu nome fosse Márcia e tu tivesses uma farmácia, ela se chamaria FarMárcia? | Espero que hoje não influências até moldar o que eles têm hoje. Folk, Bossa Nova, Rock e até um pouco de country. Uma chova porque minhas sobrancelhas não são de verdade |  Não vou mais atropelar sua mãe, eu prometo. Para conferir é só aperta o play.

    • Ana Laurousse:

    Ela escreve poemas desde crianças, com 10 e 11 anos em meio a uma brincadeira ou outra sempre acontecia seus primeiros versos. Seu disco chamado “Tudo Começou Aqui” foi inspirado quando ela estava em Paris.

    Ana começou o trabalho em 2011, no entanto as coisas começaram a acontecer em maio de 2012.Tudo com a ajuda de Rodrigo Lemos (A Banda mais bonita da cidade) na produção o que de fato deu muito certo.

    Suas letras costumam ter um pouco de melancolia e solidão, mas isso não as faz delas ruins, em contrapartida as tornam cada vez mais interessantes. Algumas de suas musicas são: Vai, menina | Café a dois | Naufrágio em mágoa doce. Para conferir é só apertar o Play.

    • Supercombo: 

    Criada em 2006 e depois de algumas formações, Supercombo, como o nome sugere, é uma combinação de combos de vários jogos de luta, com histórias, gostos e influências musicais diversas. Com composições bem elaboradas, pensadas em todos os detalhes sejam nas letras, harmonias e também nos detalhes técnicos do som, como efeitos mixagem e todos os recursos que o estúdio pode oferecer.

    Outro ponto forte que faz o Supercombo ser diferente é a característica dos seus integrantes: uma banda formada por multi-instrumentistas, alguns compositores, alguns produtores musicais e um engenheiro, características que foram fundamentais para o resultado final do álbum.

    A banda é formada por Leonardo Ramos (voz e guitarra), que nasceu na Suiça e morou lá por 10 anos, tocou nas bandas Volume7, Antemic, entre outras. Em São Paulo, passou pela banda 2ois (vencedora do programa Astros). Atua também como produtor e engenheiro de som.

    Carol Navarro (baixo), cantora e baixista gravou dois álbuns e tocou dez anos com a banda Lipstick, além de participar de vários outros projetos e bandas. Paulo Vaz (teclados e efeitos), compositor e produtor musical, iniciou a carreira em 1994, em Ribeirão Preto. Morando em São Paulo a partir dos anos 2000 e fazendo parte do Estúdio Lua Nova, produziu discos de banda como Haimanda, Gatalógica e da cantora Mariana Magri.

    Raul de Paula (bateria), também compositor e amante do futebol, chegou a receber convites para exercer a função profissionalmente, mas o amor pela música e pela bateria sempre falou mais alto.

    Pedro Ramos (guitarra e voz), já fez shows por todo o Brasil, ficou cinco anos com a banda Topaz (RS) tocando bateria e cantando, hoje mora em São Paulo e toca guitarra na Supercombo.

    • Banda do Mar:

    Banda do Mar, projeto paralelo de Marcelo Camelo (ex-integrante do Los Hermanos), Mallu Magalhães e Fred Ferreira. O trio nasceu no fim de 2013, passou por dois períodos em estúdios portugueses e se materializa em um disco homônimo, lançado no fim de agosto.

    A sugestão do nome foi feita por Marcelo, essa pluralidade do mar, dele ter um significado diferente para cada pessoa. E o nome acabou casando com a banda.

    Formado em 2014, a primeira música lançada foi ‘Hey Nana’, na voz de Camelo, mas ainda conta com ‘Mais Ninguém’, cujo vocal fica por conta de Mallu. A terceira música lançada pela banda foi ‘Muitos Chocolates’.

    • A Banda Mais Bonita da Cidade:

    Por ultimo e não menos importante eu não poderia deixar de indicar a minha banda favorita de todos os tempos. A Banda Mais Bonita da Cidade nasceu em 2009 da vontade de reinterpretar as canções que amava. Teve sua carreira propagada em 2011 após publicar o vídeo “Oração”, com mais de 15 milhões de visualizações.

    Eles produzem uma mistura de MPB com Indie. Composta por Uyara Torrente no vocal, Vinícius Nisi no teclado, Marano no baixo, Luís Bourscheidt na bateria e, Thiago Ramalho na guitarra.

    E aí, já escutou alguma das indicações acima? Espero que tenham gostado das indicações, não esqueça de comentar aquela que você mais gostou, tá bem? Obrigada por ler até o final! Beijo! 🙂

    por May Mariano
    Compartilhe com os amigos
    32 comentários

    Leia tambem

  • Dica de filme: Amor.com
  • 7/27: Novo Álbum do Fifth Harmony
  • Dica de Série: Mako Mermaids
  • 17/04/2017

    Sentada no sofá ela comia um pedaço da pizza de anteontem, não havia disposição para a culinária. Ao tempo que seus pensamentos se formavam as indagações e questionamos sobressaíam. Quem poderia cuida-la? Quem poderia escutar suas crises existências e viver cada uma delas ao seu lado? Quem poderia olhar seu rosto e decorar cada pedacinho só para tentar matar a saudade na distância? Quem poderia passar noites em claro ao seu lado?

    menina-deitada

    Bela parecia estar desligada do mundo. Não que ela fosse assim desde de sempre, mas ultimamente precisara ler no mínimo 3 vezes o parágrafo daquele romance (e isso não é uma metáfora) pelo o simples fato de não conseguir se concentrar. As vezes seu coração batia forte demais e ele temia que alguém ouvisse também.

    Garota, entenda. Ele não vai mudar depois que conhecer seus talentos. Vai continuar com os encontros de sábado à noite sem você. E te ligar no outro dia dizendo que ficou sem bateria. Você só precisa acordar e entender que ele nunca ligou para sua inteligência espacial, ou pela a forma com que você argumenta na roda de amigos, muito menos por dominar o português. Se atente para o fato – ele não está interessado na matéria de metodologia que vocês pegaram juntos no último semestre. Acorda. Sinto dizer, mas eu já fui protagonista dessa mesma série, em uma versão diferente e com outros personagens, mas o roteiro era o mesmo. Uma garota, que faz planos sozinha, que manda mensagens sozinha, que vai ao shopping sozinha, que almoça sozinha e talvez até esteja namorando sozinha. Acorda, ele não quer sonhar com você.

    Mas calma, isso não vai acontecer somente na primeira temporada, um dia desses você vai conhecer alguém no metrô, talvez na faculdade, você vai se apaixonar (de novo), talvez seja por algumas eternidades, talvez ele nem te note, vocês terão muito em comum, talvez você nem curta muito as habilidades dele com matemática, mas por fim, esses encontros vão continuar acontecendo. Até que você se ver uma mulher madura e esses encontros e desencontros não te incomodam como antes. Dói um pouco menos.

    Levanta do sofá vai, aproveita enquanto é jovem. Que ele ainda faz parte da sua rotina mesmo estando longe isso é um fato, mas que ele não está nem um pouco interessado nisso, também é. Acorda, conheça novas pessoas, siga a vida, saia da inércia assim como ele fez e diga sim para a vida pois ela está doida para te presentear com novas experiências.

    Acompanhe o trabalho da May Mariano → BLOG | INSTAGRAM | FACEBOOK ← 
    por May Mariano
    Compartilhe com os amigos
    28 comentários

    Leia tambem

  • Talvez amadurecer seja isso (ou não)!
  • Eu já sabia, mas ainda assim eu insisti.
  • Memórias do Meu Primeiro BLOG!