19 de junho de 2017

Quando eu postei no meu Facebook que estava fazendo a minha segunda graduação, as reações foram várias! Muita gente perguntou por que eu fiz isso, alguns acharam bobagem ou gasto de dinheiro a toa. Outras acharam que eu estava infeliz na minha profissão. Enfim, muitas coisas foram ditas.

Então, hoje, resolvi contar um pouco sobre essa minha escolha, que foi complicada, mas que foi a escolha perfeita para mim. Vou falar pra vocês hoje os pós e contras de fazer uma segunda graduação, quem sabe te ajuda a dar um rumo na sua vida, né?

Para te situar: Sou formada em Propaganda & Marketing, e agora faço Design Gráfico.

1. É sempre bom ter algo a mais no currículo: Quando eu matriculei na faculdade, estava meio decepcionada com a grade das pós-graduações. Na área que eu amo, as matérias eram mais do mesmo. Então, eu olhei a grade do curso de Design Gráfico e falei: putz é isso que eu quero.

2. Se o curso for relacionado, você elimina matérias: Minha grade demorou para sair, mas quando saiu eu descobrir que tinha eliminado 12 matérias da grade. Ou seja, tem semestres que irei bem pouco na faculdade, então poderei me dedicar mais as matérias.

3. É complicado se adaptar com as pessoas: Eu estou passando pela segunda faculdade, mas tem a galera que é mais nova. Então, confesso que ser interessante para essa galera é complicado, os papos são outros, os gostos também, então, se enturmar ainda está sendo algo complicado.

4. Se adaptar com o ritmo é um desafio: Olha, ainda estou tentando voltar ao que era na minha primeira faculdade. Com essa falta de costume, até acho que peguei uma DP no primeiro semestre. Mas, estou confiante que os próximos semestres estarei bem organizada com os estudos.

Estou esperando mais um tempo de faculdade, para poder gravar a TAG: Minha Faculdade novamente para vocês, mas por enquanto é isso. Caso tenham alguma dúvida, comenta aqui que eu vou amar responder para vocês! Um super beijo e até a próxima! 🙂

por Carolina Rabêlo
Compartilhe com os amigos
26 comentários

Leia tambem

  • Vitrine de Profissões: Personal Organizer
  • 30 de março de 2016

    Tem gente aí que ainda não decidiu o que quer ser quando crescer? Eu passei por essa etapa da vida e sei como é complicado escolher o melhor caminho a segui. Para ajudar a galera que curte o BLOG, criei esse quadro para mostrar como são exercidas as profissões, de acordo com uma galera que atua na área. No post anterior, falamos sobre o mercado de trabalho na área da Publicidade e Propaganda e hoje, vamos falar de uma profissão que está crescendo muito no mercado: Personal Organizer.

    personal-organizer
    Eu não sei vocês, mas eu sou uma pessoa extremamente organizada com minhas coisas e para manter toda essa organização nos “trinques” dá muito trabalho e precisa de muita dedicação. Com a vida corrida das pessoas, o Personal Organizer foi conquistando ainda mais o coração da galera. A profissão é nova no nosso país, porém lá fora, é uma das profissões mais populares. Explicado o segredo da casa das gringas serem sempre impecáveis. O Personal Organizer tem habilidades específicas para assessorar pessoas que não tem tempo para organizar sua vida doméstica, espaços diversos e em alguns casos, até a vida pessoal de alguém. A principal preocupação de um Personal é aumentar o conforto, harmonia, praticidade, agilidade, economia, produtividade e bem-estar, deixando o ambiente mais agradável e eliminando da vida do cliente, o stress da desorganização. Para falar um pouco mais sobre essa profissão?

    personal-organizer

    Entrevista a Personal Organizer Mari Mesquita do Blog Juízo na Cachola 

    Quando você viu que esta profissão, era aquilo que você queria pelo resto da vida?
    MARI: Sou uma pessoa organizada, por natureza. E quando descobri que organizar poderia ser uma profissão, pensei em juntar o útil ao agradável.

    Que curso você fez? Onde? Fez alguma especialização? Conte pra gente!!
    MARI: Fiz um curso para Personal Organizer, que aborda a organização residencial e corporativa. Podemos falar que os conteúdos se dividem assim:

    • RESIDENCIAL: Envolve armários, dobras, rotinas de compras para casa e treinamento de funcionários da casa.
    • CORPORATIVA: Arquivos, documentos, rotinas de trabalho e palestras motivacionais.

    Como é o mercado de trabalho?
    MARI: Enorme, porém pouco divulgado. Atendo desde homens que moram sozinhos e precisam de uma ajudinha com a organização, pessoas com vidas corrida, famílias que estão de mudança, colecionadores e etc.

    Conte para nós, como você exerce a sua profissão hoje?
    MARI: O horário é bastante flexível. Faço uma visita inicial, para entender o principio da bagunça do cliente (risos). Depois, faço um orçamento, mediante o tempo que provavelmente irei gastar para deixar tudo no lugar. Resumindo, esse tempo varia de duas horas até dias de trabalho.

    Qual a tendência mais forte da sua profissão atualmente?
    MARI: Com certeza a organização residencial. Antigamente achava-se que esse tipo de serviço não era acessível e hoje em dia, as pessoas perceberam que o investimento vale a pena.

    O que um profissional precisa para se destacar no mercado?
    MARI: Três características são importantes: ser organizado na sua vida pessoal, observador e criativo.

    Qual a maior dificuldade que sua profissão tem?
    MARI: A falta de informação sobre o assunto, as pessoas tendem a achar que “arrumar” a casa é o mesmo que “organizar” uma casa. É preciso deixar claro que o Personal Organizar organiza e não arruma.

    O que te inspira na sua profissão?
    MARI: Com certeza o bem estar que a organização proporciona para o cliente.

    Quais livros, filmes, séries você indica para quem pensa em começar a estudar sobre sua área?
    MARI: Essas são algumas sugestões:

    • Filme – Juntos e Misturados: A atriz Drew Barrymore é uma Personal Organizer, que sai e férias. O filme dá uma leve pincelada sobre a profissão.
    • Livro – Vida organizada, Thais Godinho, Editora Gente.
    • Livro – Casa em ordem, Natália Zanardi, Editora Alaude.
    • Livro Chega de bagunça! Organize-se!, Cristina Maria Fonseca e Maria Bernadete Mininel, Ed. Marco Zero.

    Tem alguma dica que você gostaria de dar para a galera pensa em ter a sua profissão?
    MARI:Sim, tenho. Leia muito, mas, não se engesse na teoria. A arte de organizar é facilitar a vida da pessoa. O que serve pra mim, talvez não sirva pra você. Por isso seja criativo e invente outras maneiras de fazer a mesma coisa.

    personal-organizer

    Gostaram deste segundo post da nossa série, gente? Se vocês tiverem mais alguma dúvida sobre a profissão, pode colocar aqui nos comentários que eu peço para a Mari responder vocês. Qual profissão que vocês querem ver por aqui? Comenta aí o que você tem curiosidade, que vai ser legal essa interação com vocês. Um super beijo e até o próximo post ♥


    Faça parte do CORREIO DO BLOG e receba várias novidades em primeira mão clique aqui  •
    por Carolina Rabêlo
    Compartilhe com os amigos
    0 comentários

    Leia tambem

  • Por que fazer uma Segunda Graduação?