Querido diário,

Que saudades eu estava de estar com você. Conversar sobre meus medos, te falar meus segredos e aliviar meu coração. Ele tem sido muito forte, diante ao que o mundo nos pede para enfrentar. É diário, crescer está sendo cada vez mais difícil, mas ainda sim, ser adulta não perde seu brilho. Conseguir enxergar as mesmas coisas, com outros olhos é muito enriquecedor, mesmo que possa ser triste em algumas situações.
Semana chegou cheia de etapas a se vencer. Nas linhas do meu livro encontrei diversas histórias para se contar. Notei o amor deixando de acontecer, por motivos tão bobos, mas capazes de destruir algo tão incrível. Me pergunto quem, nessa história, será a vítima? Deve doer saber que algo que ama vai embora, mas deve ser mais triste ainda para o amor saber que ele é jogado fora por tão pouco.
É tão bonito a sinceridade dos sentimentos, quando eles são capazes de fazer alguém mudar sua forma de ser para ser perfeito aos olhos de alguém. Não que isso seja uma obrigação, mas sim que seja uma meta que o coração estabelece para conseguir viver intensamente esse sentimento. Pena que a mudança se torna uma coisa ruim, algo que gera lágrimas e dores, quando ela deveria apenas ser um estimulo a ser melhor, como ser humano, como apaixonado.
Em falar em ser humano, querido diário, como pode uma pessoa ser tão rude. Sim, vi muitas linhas desse livro as pessoas que julgam, maltratam e agem como estranhos com seus verdadeiros amigos. E depois, como um copo quebrado, as feridas não conseguem secar e são capazes de machucar outras pessoas. Sentimento despedaçado é mais cortante que vidro, eles podem parar de doer um dia, mas suas cicatrizes são eternas. E o veneno do amor, querido diário, também esteve presente em algumas linhas, fazendo com que os sentimentos fossem mal interpretados, mal intencionados, quando eles apenas queriam viver intensamente da forma mais bela.
Mas enfim, é difícil escrever tantas coisas más em você, quando o que eu queria era ter um conto de fadas. Por que mesmo que nada dessas coisas tenha acontecido comigo, dá medo pensar que pode acontecer. Não por que eu não ame, não por que eu não acredite, mas apenas pelo fato que eu sou humana e também posso errar.
Querido diário, continuo com meu sonho de criança. Gostaria de ter o poder do abraço para tirar todas as dores do mundo. Ou apenas o dom de ajudar quem está ferido com simples palavras. Sim, eu posso abraçar, eu posso falar, mas ainda nada parece ser o suficiente. E no mundo de hoje, o suficiente ainda é muito pouco perante a perfeição, infelizmente. 
Um beijo.
Rabêlo, Karol ♥

6 Comments

Leave a Reply